Ceci

 

ceci

 “O mais importante para o homem é crer em si mesmo. Sem esta confiança em seus recursos, em sua inteligência, em sua energia, ninguém alcança o triunfo a que aspira”. (Thomas Atkinson)

“Onde estiver, seja lá como for, tenha fé porque até no lixão nasce flor”. (Racionais Mc’s)

Era uma vez por que a gente começa uma história com era uma vez uma menina. A minha história começa com um bom dia. Com uma notícia boa. Assim como um bom telejornal. Assim como começa um papo de um bom jornalista. Cecília disse para libélula no meio da estrada. Cecília tinha oito anos e caminhava sozinha. Independe. Conectada. Ela era do mundo. Sozinha no mundo.

E entrou numa estrada. Tão maravilhosamente inacreditável que era quase uma estrada de verdade. Muita gente ia pensar que era um perigo. Muita gente. Muita gente mais medo. Quanto mais gente no mundo, mais as pessoas têm medo. Cecília era sozinha. Sozinha não. Usava um short amarelo e camiseta branca regata. Uma edição de sua revista favorita e um livro lido pela metade. Podia-se ver pelo belo marcador do livro. Cecília não tinha medo. Talvez por isso a solidão. O poder e o sucesso preferem os solitários. Os que levantam mais cedo e caminham.

A coragem abraça os que fogem à regra. Elogia os quem ela quer por perto. Elogia todas as possibilidades. Elogia os que querem ser livre. Elogia os que partem. Elogia quem tem equilíbrio. Elogia quem

Tem olhar cansado, olhos grandes e tristes.

Bocarra

Pés finos de gente magra

Enormes

E pretos

Olhar e pés de quem trabalha demais

Recompensa de menos.

Elogia quem sabe que dia nasceu

Elogia quem te/se acha bonito

Quem tem paixão

Quem gosta da água

Quem é alegre

Elogia até quem nem se parece com você.

Elogia o contrário de tudo. Elogia o que deselogia. Elogia deselogiando. Elogia a ideologia. E…

ceci2

“Podemos nos defender de um ataque, mas somos indefesos a um elogio.” (Sigmund Freud)

“Eu não sou homem que recuse elogios. Amo-os; eles fazem bem à alma e até ao corpo. As melhores digestões da minha vida são as dos jantares em que sou brindado”. (Machado de Assis)

Era uma vez por que a gente começa uma história com era uma vez uma menina. E entrou numa estrada.

Não é do frio que ela tem medo. Ela não se identifica com gente que sente medo. Cecília segue só. Como se ela fosse um exército.Um grande exercita de solidão. Como se ela fosse grande, você é gigante.

Elogia tudo que é grande, recomendou a libélula.

Tudo que pensa grande e reflete grandeza.

Que fique claro. Elogia até o invisível.

Que cor é transparente? Qual a cor do incolor?

A nova roupa do rei era invisível minhas cores favoritas verde, amarelo, vermelho e incolor. Verde é cor da natureza viva. Está associada ao crescimento, à renovação e à plenitude. O amarelo simboliza o sol, o verão, a prosperidade e a felicidade. Vermelho está associado ao poder, à guerra, ao perigo e à violência. Cor é a impressão que a luz refletida ou absorvida pelos corpos produz nos olhos. Cor é o que você vê mesmo no escuro.

 

Rei peladão! Que falta de respeito.

 

Na sua origem em latim, a palavra respeito significava “olhar outra vez”. Ter respeito por alguém também pode implicar um comportamento de submissão e temor.

Cecília não tinha medo de nada. Ele tinha desejo pelo os outros. Desejo de conhecer ao invés de respeito.

Quero um amuleto, ela disse para libélula ;.; a libélula disse. Quero uma máscara de mergulho. Quero conhecer o fundo do mar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s