Quem tem medo de dar o cú?

O álcool faz maravilhas com a vida sexual das pessoas. Muito álcool, não. Bebida em excesso nos deixa impotente. E ele nem é de beber a caipirinha que eu fiz como vocês leram no penúltimo post. Eu disse que ele era só de cerveja. Mas não era a primeira vez que eu ficava com ele. E na última vez, foi uma luta fazer com que ele deixasse a pinta de machão para trás e aceitasse minha investida.

Eu comecei com o básico que toda bicha faz quando arrasta um bofão pro abate. Comecei chupando. E todo mundo gosta de ser chupado. Até que minha língua atrevida percorrendo as bolas foi parar na portinha do seu cú. Ele enfim se entregou e eu pude comer ele.

Uma linguada no rabo é de ver estrelas. Eu sei. Posso pegar hepatite se continuar fazendo isso, mas é uma cena linda de se ver. Geralmente, eles se deitam de bruços, empinam um pouco a bunda e relaxam. E gemem baixinho quase que implorando para serem enrabados.

Os negros geralmente têm gosto cítrico. Assim como limão. Limão, cachaça, açúcar e gelo. Um dos cinco coquetéis mais sofisticados do mundo. Gente branca tem sabor de baunilha. E eu não gosto muito de doce.

Nem tudo o que eu escrevo é verdade. Escrever é, antes de tudo, a arte de iludir. Aí, menina, descemos eu e minha mãe no Rua M para as compras de páscoa. Sentei-me ao lado do dunda que me comeu cinco vezes (lembram dele?). Ele fez como as pessoas vulgares e virou a cara para mim. Eu fiquei arrasado. Me senti um lixo. Não podia ter pelo menos acenado a cabeça? Ou dito um tímido oi? E esse sentimento me contaminou.

Já no centro, a gente deu de cara com um negão… De tirar o chapéu. E depois outros. Na Presidente Vargas, numa obra, tinha um dunda escândalo! Até a minha mãe falou: “Eles não sabem como são bonitos”.

Eu ainda estava arrasado. E encontramos meu pai na lanchonete Takanawa e tomamos uma cerveja com ele antes de encarar o Bramil. Passou uma bicha (adivinha a cor?) e eu fiquei paquerando. E, sei lá por que, a bicha se incomodou e voltou para tirar satisfação. Ai, não era mesmo meu dia. O negócio é enfiar uma calcinha no meu rádio e ouvir de novo Cabelo Pixaim.

foto: Adonis Oholi portfolio: http://www.modelmayhem.com/556261

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s