Maria Bonita Extra

Primeiro, eu fui ao teatro. Alimentar a alma. Um delicia de espetáculo. Gostei demais da musiquinha no final. Com participação da plateia. Depois, eu fui ao jantar de aniversário da minha irmã evangélica. Ela pensou nos convidados e, oba, tinha Skol. Pouca gente. Família e uma amiga da minha irmã, a Luciana, mulher do DJ Léo Jack, que tinha ido assistir ao mesmo espetáculo na sexta-feira. Disse que gostou bastante. E aí eu recomendei a uns primos que fossem também.

Didi, meu inquilino, me chamou para sair. Hoje a gente vai beber todas. O jantar acabou e descemos com o Carlos para a seresta no bar do Carlinhos. Cerveja não estava lá tão gelada, nem no bar da Oi Maluca, vazamos para o Videokê.

Garçonete me reconheceu. Trouxe cerveja para gente. Didi pediu uma porção de batata frita e então, eu já estava fervendo com o pessoal da mesa ao lado. Eram antigos clientes do meu bar.

Rômulo passou e me viu dançando. E aí Pokémon passou e tava na correria. Sei o que ele queria e dei um aqué para ele. Voltei pro bar e o pessoal da mesa sabia o que eu tinha feito. Começamos a falar de drogas.

Passou. Madalena, a namorada do Didi chegou de carro. Pediu uma porção de queijo, comeu pouco e foi embora. O pessoal da mesa foi embora também, mas uma das mulheres voltou e levou a gente para a Maria Bonita.

Ingresso cinco reais homem. O que? Paguei ingresso de mulher. Cada um pagava uma cerveja. Meu copo não parava vazio. Voltei a ferver. Fervi com um pessoal, fervi com a Margô… Pokémon aparece. Ele tinha pedra e me deu um pedaço. Eu não fumo essa merda, acabei dando a pedra pro um dunda do Barros Franco.

Eles me chamaram para mesa deles e eu disparei a conversar com um garoto horroroso, porém uma simpatia. E aí a mulher que eu estava dançando, me chamou para ir ao banheiro com ela. Fui. E lá rolou. Voltamos e demos um beijaço. E beija daqui e beija de lá. Ai carência!

Acabou o show na Maria Bonita. O Carlos tinha ido embora, a mulher do carro também. E então a mulher que eu estava beijando aproveitou uma carona e foi para casa.

Didi, que tem uma sorte danada com mulheres, já estava com outra e descemos para a rua da feira tomar a saideira. Sou alcoólatra, não se esqueçam. Mas encontrei o Pokémon que tinha uma parada guardada para mim. Fomos para um barraco perto da Morada do Sol. Quendamos e eu fiquei entalado. Tomamos umas cervejas na padaria no Palmital.

Aí eu não valho um centavo, queria uma babi para tentar dormir. Fomos para o Barros Franco. Fumar na mesma casa do mês passado. Bebi mais cerveja e uma hora eu tinha que ir para casa.

Minha casa e o Didi e o Carlos já tinham acordado. Eu fui para lá beber mais. Sono? Que sono?

modelo: John Tee; portfolio:http://www.modelmayhem.com/64047

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s