Veado bom é veado morto ou ainda bem que eu não valho nada

Aí o Supita me parou na rua. Na verdade encontrei com ele no calçadão.

Supita falou: Menino, o que foi aquilo?

Aí eu: O quê?

Supita: Verdadeiro teatro. Você foi ou não foi no teatro? Se você não foi, perdeu. Se foi, escreveu uma peça.

Aí eu disse: Vamos tomar um suco de laranja?

Supita agora é um garoto supersaudável. Faz exercícios físicos, cuida do corpo e da alimentação. Perdeu muitos quilos. Frequenta academia.

Uma língua maligna me disse que ele estava criando um personal trainer. Língua fofoqueira. Ele faz todos os exercícios, disse a língua. A motivação dele é personal.

Eu vi as fotos do personal… Do modelo personalizado de vida que ele está levando. Eu quase entreguei o Supita e o garoto supersaudável. Supersaudável que ele é. Eu quase fiz uma fofoca.

Eu disse: Eu vi na Record o quadro “Arruma Meu Marido”. Achei legal. Queria ver mais. É uma versão para casados do “10 Anos Mais Jovem”. É uma versão Queer Eyes menor.

Aí a gente estava falando das pulseirinhas do sexo.

Aí eu disse que só usaria as pretas. É a cor do obscuro, do lixo, da contestação, da rebeldia. Do astro rei do rock.

O Sétimo Selo do Bergman.  A morte usa preto. No dicionário de Ideias Afins, preto é associado às trevas, a morte, a doença, ao preconceito, a tristeza, ao insucesso. A desilusão. A morte usa preto. Na moda, preto é básico. Preto é uma cor morta. Neutra. Vazia. Apagada.

Ele usava amarelo. Supita, é isso que você quer saber? Amarelo é a cor que mais ilumina o preto. Dá vida a morte. Destaca. Sexualiza. Ele estava afim de sexo. Me chamou para jogar xadrez. Me chamou para brincar de quem come o rei do outro primeiro.

Xadrez. Ele ficou sete anos preso. Ele queria se libertar. Botar para fora. Botar para fuder. Eu sou fera no xadrez, ele ia ser comido primeiro.

Ele disse: A pior coisa do mundo é o desespero. O problema é que felicidade não vê amanhã. Sabe jogar xadrez?

O jogo só acaba quando comem o rei. Quando matam o rei.

Última coisa que eu escrevi: Arrisquei. Vivi, morri. Fechei os olhos e deixei que ele me enforcasse.

foto: Model Gabe Sonny http://www.modelmayhem.com/846696

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s